Millor Fernandes:


Jornalismo, por princípio, é oposição – oposição a tudo, inclusive à oposição. Ninguém deve ficar acima de qualquer suspeita; para o jornalista, não existem santos.

terça-feira, 6 de julho de 2010

O erro de se misturar Futebol com politica

Nunca gostei de misturar esporte com religião ou politica. Nunca dá certo, sempre leva a discussões inúteis.

Tenho visto em diversos blogs opiniões divergentes, onde todos os pontos de vista até são válidos de alguma forma, porém se equivocam ao tentar dar ao futebol mais importância do que deveria.

Vejo da seguinte forma, sou um amante do futebol quero ver o melhor time vencer. Para mim merece vencer o melhor, não me importa se o pais da seleção ou time vencedor está afundada na lama ou se são super potências econômicas.

Se isso por acaso faz de mim um alienado lamento, perdão, sinto muito mesmo.

Assim como falei em outro post que futebol não tem nada a ver com religião. Também afirmo que futebol não tem (ou não deveria) ter nada a ver com politica.

Se vai ser a Alemanha ou o Sudão. Não me interessa. Se jogou melhor fez por merecer a vitória ótimo. Se os governantes vão se aproveitar da euforia e da ignorância da população, lamento mas isso nada tem a ver com o esporte. Futebol é um jogo e só. Infelizmente o sul-americano (Mais brasileiros e argentinos) de uma forma geral só se sente um cidadão de primeiro mundo quando o assunto é futebol. Esquecendo-se que o mérito da vitória é todo dos atletas que conquistaram o título para seus países e principalmente para si.

Tentar tornar o assunto em algo panfletário é um erro. Já me basta os maus políticos que usaram e usam do esporte para se promoverem afim de manipular a massa burra e se manter no poder. Já me bastam os dirigentes que usam o esporte de trampolim para conquistar status e poder de chefes de estado.

Se eu fosse deixar de torcer ou gostar de futebol por falcatruas e sacanagens de dirigentes eu como rubro-negro estaria ferrado.

Se o país está no caos, não é culpa da copa cair em ano de eleição isso apenas ajuda a manter o povo alienado, a culpa é dos políticos e principalmente de quem os elegeu. Eu acredito que o ser humano só aprende na base da dor. Se não aprende é por que não sofreu o suficiente ou é burro demais, então que continue sofrendo. Eu faço a minha parte tento me manter atento.

Mas, sei separar, futebol é lazer e hobbie. Quem usa o esporte para ter poder, esse não tem meu voto e nem minha atenção. Futebol e politica não se misturam é assim que deve ser.

Futebol é lazer, não passa disso, cada um que torça por quem quiser.

2 comentários:

  1. Texto brilhante! Falou e disse. Assino embaixo!!!

    Apesar de não curtir futebol, admiro a existência desse esporte, desde que ele seja visto como tal. Mesmo não assistindo os jogos, gosto de estar por dentro das classificações no brasileirão.

    Futebol é só lazer e ponto final. Colocar patriotismo e outros valores "superiores" no futebol é desviar o esporte da finalidade para a qual ele foi criado: diversão. Futebol fica bem chato quando se transforma em "dever cívico".

    Não se vê isso em outros esportes. O Brasil para por causa de uma simples copa. Se o meu conterrâneo Guga fosse participar de um torneio de tênis e eu pedir para faltar o trabalho porque queria assist-lo jogar, quero ver se dariam folga para mim.

    O futebol seria bem legal se não fosse associado a tanta coisa "séria".

    Viva o futebol! Não como "dever cívico", mas como o simples esporte que é.

    E parabéns a vc, Shogun. Se todos pensassem como vc estaríamos no paraíso. Parabens!

    ResponderExcluir

Recomenda-se ao comentarista que submeta seu texto a um corretor ortográfico.

Pede-se o uso de parágrafo, acrescentando-se um espaço entre uma linha e outra.

O blog deletará texto só com letras MAIÚSCULAS.


"Se a prudência da reserva e decoro indica o silenciar em algumas circunstâncias, em outras, uma prudência de uma ordem maior pode justificar a atitude de dizer o que pensamos." - (Edmund Burke)