Millor Fernandes:


Jornalismo, por princípio, é oposição – oposição a tudo, inclusive à oposição. Ninguém deve ficar acima de qualquer suspeita; para o jornalista, não existem santos.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Porque eu não votaria em Bolsonaro para presidente

A campanha do deputado Jair Bolsonaro (PSC RJ) à presidência do Brasil tem tido um enorme crescimento, apesar de as pesquisas recentes - que devem ser vistas com muita desconfiança - apontarem Lula como o primeiro na preferência dos eleitores pesquisados. O candidato é popular entre jovens nas mídias sociais e entre os defensores da ideia de intervenção militar; esses na maioria, pessoas acima dos 45 anos.

Bolsonaro é visto como a única opção da direita no pleito de 2018, que promete ser um verdadeiro show de horrores em 50 tons de vermelho se verificarmos quem são os demais possíveis presidenciáveis: O já mencionado Lula; os tucanos Aécio Neves, José Serra ou Geral Alckmin - cujo os dois últimos cogita-se nas internas a troca de partido para o PMDB, muito mais provavelmente Serra; temos a "garota melancia" Marina Silva; e o rei dos sofismas Ciro Gomes. Isto os com mais intenções voto nas pesquisas. Dá vontade de beber ao ver esses nomes, certo? Porém, irei me ater ao nome da "única opção da direita", que é o que me interessa aqui.

Já mencionei outras vezes como eu não acredito no discurso liberal que Bolsonaro e seu partido, PSC, vem utilizando desde as eleições de 2014 pra cá quando lançaram o lamentável Pastor Everaldo como candidato à presidência. Bolsonaro em toda a sua vida pública sempre se demonstrou estatista e pouco afeito às ideias liberais sempre se opondo a privatizações e sendo árduo defensor dos governos militares do Brasil todos altamente positivistas e estatistas.

Tenho vários motivos para não jogar meu voto fora com Bolsonaro em 2018 e vou enumerar aqui alguns dos principais deles

Militância virulenta

A militância de Bolsonaro, no caso seus eleitores, não me parecem muito diferentes dos eleitores petistas. Sempre que veem seu mito ser atacado, ou minimamente criticado respondem às criticas com ataques ou argumentos falaciosos (isso não resumem sua retórica a memes). Você consegue imaginar eleitores do Bolsonaro assumindo algum tipo de culpa ou erro cometido pelo candidato? Alias já viram isso acontecendo em episódios onde claramente o deputado se saiu mal no jogo politico como no caso da cusparada de Jean Wyllys?

Não viu e não verá. Eleitores de Bolsonaro nada mais são que petistas de sinal trocado, e jamais admitirão erros ou falhas de seu "mito" e relativizarão seus atos da forma mais vergonhosa que um petista faria para proteger Lula.


Falta de traquejo para articulação e guerra politica

Há uma pergunta que tenho feito a eleitores do Bolsonaro ou apenas pessoas que o considerem uma opção viável anti PT e cujo as respostas tem variado entre o pífio à patética crença que força o item anterior, que é a seguinte:

Bolsonaro tem vários projetos realmente úteis para a defesa do cidadão e para coibir crimes hediondos como estupro. Mas porque esses projetos do deputado nunca passam, ou sequer são votados? Será que é somente porque o congresso é composto de comunistas e ladrões ou porque o deputado possui um poder nulo de articulação politica? Como um candidato que demonstra não ter nenhum traquejo para articulação, negociação poderia ser um bom presidente?

Pensem, os Bolsonaros estão acostumados a fazer quizumba, ataques e criticas mesmo a aqueles que não são seus opositores apenas por receberem alguma critica, como o MBL por exemplo. Que tipo de dialogo Bolsonaro teria para conseguir aprovar seus projetos num congresso, onde tudo indica, ele não terá a maioria, mas sim forte oposição?

E por favor não respondam: Bolsonaro irá indicar alguém para fazer esse trabalho. Não sugeriam que você está defendendo voto num avatar que não irá pessoalmente cuidar dessas negociações que são difíceis e complexas. Foi exatamente isso que fez Dilma cair (pra nossa sorte).

Caso contrário espero que tenham bons nomes para a próxima legislatura e que estejam alinhados quase que subservientemente a Bolsonaro, para votar os projetos que ele irá demandar ao congresso, que não emitam criticas já que o mesmo (principalmente seus filhos) não lidam bem com a menor critica que se faça (O pai curiosamente talvez lide melhor).

Não preciso mencionar a atuação pífia de Bolsonaro no episódio da cusparada que sofreu de Jean Wyllys em pleno congresso e de como ridiculamente caiu num "conto da Rosário" e conseguiu virar réu num processo absurdo apenas por não pensar antes de falar. Só isso demonstra como Bolsonaro é pouco hábil para travar uma guerra politica.


Gestão

Em tempos de João Dória em alta, fica a pergunta: qual a experiência de Bolsonaro como gestor? O que ele já geriu na vida? Ele está apto para o cargo de presidente? Ok que o Brasil elegeu uma mulher que faliu loja de R$ 1,99 e todos vimos a catástrofe que isso nos causou. Não seria o caso de Bolsonaro tentar um vôo mais baixo? Lembrando que com toda a minha pouca afinidade e simpatia ao deputado, acho que sua ausência na câmara federal será um prejuízo ao equilíbrio politico devido o contraponto que ele faz a politicos como Jean e Maria do Rosário.


"Fenômeno Trump"

Temos caído na ideia comum de comparar Donald Trump com Bolsonaro. A própria imprensa brasileira tem feito isso - e o deputado vem se utilizando de alguns artifícios de campanha usado pelo presidente eleito para associar sua imagem a esse fenômeno.

Considero um erro, visto que o "presidente laranja" nunca foi politico e Bolsonaro tem seguidos mandatos. Hoja há um sentimento de insatisfação com políticos em geral e foi isso que levou Trump à vitória dentro de seu partido que o rejeitava até a campanha presidencial contra Hillary. Até hoje a imprensa não anotou a placa do caminhão que os atropelou, e considero um erro cair numa comparação feita por esta mesma imprensa que não entendeu absolutamente nada do que aconteceu.
 De igual mesmo os dois só tem a língua.

O fenômeno pode ser parecido, mas Trump não é politico, ele é ao menos empresario e gestor. Ele sabe pelo menos delegar as pessoas certas para assumir pastas e cargos estratégicos. e principalmente ele entende a guerra politica. Ele sabe ao menos atacar frames usados por adversários. Bolsonaro se limita a "mitar na internet" (o que seria uma lacração invertida) criando picuinhas.

E por último e não menos importante...

Este vídeo




Preciso desenhar e explicar o tamanho da gravidade desse discurso?

Bolsonaro se apresentou como liberal e eu o ataquei como sendo apenas um "liberal de ocasião". Discurso ensaiado por modismo politico. Nós liberais ainda teremos que lidar muito com estatólatras, teocratas populistas e todo tipo de escória politica querendo tirar uma casquinha.

Os liberais sempre defenderão a menor minoria de todas, o indivíduo, e sempre farão oposição a discursos que defendam a imposição da vontade da "maioria" (na verdade, do estado) sobre os demais, como esse de Jair Bolsonaro.

Eu não posso apoiar que uma minoria se imponha para a maioria, da mesma forma que não posso apoiar que uma maioria se imponha para uma minoria para que elas "se adaptem ou desapareçam". Aqui neste vídeo Bolsonaro comprovou o quanto é anti-liberal e acaba por dar argumento à esquerda que o chama de fascista, autoritário e homofóbico. Não tem como defende-lo disso.

Eu não pretendo jogar meu voto no lixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Recomenda-se ao comentarista que submeta seu texto a um corretor ortográfico.

Pede-se o uso de parágrafo, acrescentando-se um espaço entre uma linha e outra.

O blog deletará texto só com letras MAIÚSCULAS.


"Se a prudência da reserva e decoro indica o silenciar em algumas circunstâncias, em outras, uma prudência de uma ordem maior pode justificar a atitude de dizer o que pensamos." - (Edmund Burke)