Millor Fernandes:


Jornalismo, por princípio, é oposição – oposição a tudo, inclusive à oposição. Ninguém deve ficar acima de qualquer suspeita; para o jornalista, não existem santos.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Troféu óleo de peroba 2009: José Genoino

Réu do mensalão, Genoino defende candidatura dos 'fichas-sujas'

o globo

O deputado José Genoino (PT-SP), réu no processo do mensalão que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF), subiu à tribuna nesta quarta-feira para criticar o projeto de iniciativa popular que tenta barrar a candidatura dos que respondem a processos na Justiça, os chamados fichas-sujas . Para Genoino, a proposta é inconstitucional e autoritária. O discurso, feito no início da tarde, com o plenário ainda esvaziado, recebeu apoio de quatro deputados, entre eles Geraldo Pudim (PR-RJ), que já foi alvo de questionamentos na Justiça, e Ernandes Amorim (PTB-RO), que admitiu responder a processos e inquéritos judiciais.

Para Genoino, a Constituição brasileira deixa claro que "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória". Ele rebate a tese de que a presunção da inocência só se aplica em casos de processos criminais e recorre a voto do ministro do STF, Celso de Mello.

Isso vai inteiramente na contra mão do desejo popular de ter representantes dignos e de ficha limpa. Mas, vindo de quem vem não me supreende. Rato!

Aproveito para divulgar o site do MCCE (Movimento de Combate a Corrupção eleitoral).

2 comentários:

  1. Rato magro ! kkkk

    É foda, se for assim de nada vale, se for esperar o processo chegar ao final vai demorar mil anos, que essa velocidade judiciária brasileira. Aí o cara vai poder de candidatar até enjoar.

    ResponderExcluir
  2. Sem mencionar a imunidade parlamentar.

    ResponderExcluir

Recomenda-se ao comentarista que submeta seu texto a um corretor ortográfico.

Pede-se o uso de parágrafo, acrescentando-se um espaço entre uma linha e outra.

O blog deletará texto só com letras MAIÚSCULAS.


"Se a prudência da reserva e decoro indica o silenciar em algumas circunstâncias, em outras, uma prudência de uma ordem maior pode justificar a atitude de dizer o que pensamos." - (Edmund Burke)